solo

Extraindo os primeiros punhados de superfície com as mãos

pra drenar os venenos do coração

abrindo espaço pra tudo que mudar

Eu não respiro até ventar

Sei q essa folha q voou foi o tempo que partiu

sempre interferente

E assim eles passam como se eu estivesse aqui pra sempre

Por aquele sentimento que se eu soltar não cai

eu me enfrento até o fim.

 

São Paulo, 07/07/2012

Anúncios
1 comentário
  1. ddilettoso disse:

    hmmm, bem bonito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: